Em destaque

É proibido fumarÉ proibido fumar Imaginem o cenário: sábado a noite. Vila Madalena, o bairro dos bares de São Paulo. Pub, lugar direcionado para consumo de bebidas. Imaginaram? Pois bem, agora acrescentem o seguinte detalhe à cena: ninguém está fumando!

Leia mais...

domingo, 1 de novembro de 2009

7
Uma visão sobre This is It - Michael Jackson



Perdemos um grande show. É o melhor comentário que podemos fazer ao assistir "This is It". A volta de Michael Jackson aos palcos estava sendo detalhadamente preparada, e o que poderiamos esperar é um show como o mundo não via há muito tempo.

O que vemos no filme é um Michael Jackson que os fãs já conheciam. Profissional. Educado. Amável. Perfeccionista. Criança. Um Michael Jackson que conhece profundamente suas músicas, cada nota, cada levada. Conhece o gosto de seus fãs. Conhece todos os passos de suas coreografias. Que briga com a equipe, exige que as coisas sejam feitas do jeito que ele escreveu. "É assim que os meus fãs querem ouvir". Mas que briga do jeito mais educado que uma pessoa pode brigar. "It's all for love. L.O.V.E.". Como não respeitar?

O filme é simples, direto. Faz direito o que se propõe a fazer. Mostra o ensaio das principais músicas (podemos perceber que algumas ficaram de fora, talvez uma jogada de marketing para o lançamento do DVD - Como Michael iria fazer um show sem Heal the World?) seguindo o set list original. E é nessa hora que o filme apaixonou os céticos, aqueles que criticavam, aqueles que não conheciam Michael Jackson. Pois ao mostrar o ensaio no seu estado bruto, mostra um Michael Jackson que, no alto de seus quase 51 anos não perdeu a voz e o rebolado. Michael ainda canta, ainda tem voz, ainda alcança as notas. Michael sabe todas suas coreografias, marca os passos como se estivesse contando até três. Simples assim. Natural. Não somente por ser algo que faz por 40 anos, mas por ser aquilo que ele melhor sabe fazer.

Em momento algum o filme cita o dia em que Michael nos deixou. Não foca em melancolia. Não é piegas. Como diz no inicio, é um filme feito para os fãs. Sendo feito para os fãs, foca naquilo que os fãs querem ver: Michael em ação. Uma pena, uma pena mesmo que não é um ensaio geral. Por muitos momentos, MJ se segura. Segura a voz. Segura os passos. Tudo para se poupar para os grandes shows, que nunca vieram. E é nossa hora que o coração aperta. "Estou poupando minha voz". "Nos vemos em julho". Mas logo em seguida MJ é levado pela emoção, e se joga em passos de Billie Jean. Se empolga no dueto com a [super]backing vocal em I Just Cant Stop Loving You e prova, de uma vez por todas, que não estava morrendo. Podemos ver um Michael feliz, se divertindo na grua que o faria chegar mais perto do público. Se divertindo com a nova filmagem de Thriller e Smoth Criminal. Dando espaço para que os novos de sua banda brilhem durante o show. E, como sempre, tentando salvar o mundo.

Michael tem uma consciência ambiental impressionante. De seu jeito, dá o recado: vamos parar de culpar "eles", assumir nossa culpa e cuidar de nosso planeta. Simples assim. Ah, se todos ouvissem Michael Jackson...



Tenho que confessar que o inicio do filme me encheu de lágrimas. Ver todos os bailarinos-fãs, sorrindo, felizes, comemorando estarem no palco com o rei. Ver MJ ensaiando com muito cuidado um show que nunca iria acontecer. Mas as lágrimas logo passam, quando você entra no clima do ensaio e se sente mais um bailarino, babando, olhando para o palco, enquanto Michael Jackson dá seu show. E o filme te deixa com uma sensação de "quero mais". Cem minutos é muito pouco. Quero mais música. Mais coreografia. Mais Michael Jackson. Quero o segundo verso de Black or White. Quero Man in The Mirror inteira. Quero Moonwalk. Quero MJ vivo para nos mostrar tudo o que ele queria!

Infelizmente, ficaremos querendo. This was supposed to be it. Presenciamos o ensaio de um show perfeito, que nunca foi. The greatest show on earth. E, além de tudo, perdemos o melhor artista da história. O mais completo. O único que escreve, compõe, dirige, coreografa, atua. O único que consegue mandar no diretor de seu show (Ortêêêga) sem que esse ao menos perceba. Perdemos um dos seres humanos mais humanitários do mundo, que simplesmente queria levar mais amor para as pessoas. Queria que o homem voltasse a sua essência, se respeitasse. Queria salvar o mundo. Um artista pop completo, que canta. Playback, o que é isso? Michael Jackson é cantor. Tem voz. Conhece o palco como ninguém. Conhece sua potência, sua força. Sabe que é bom. E sabia que estava fazendo o melhor show que o mundo poderia ver. Infelizmente, ficaremos na imaginação. Pois outro Michael Jackson não nascerá. This is it.




Algumas dicas:
- Fique até o fim dos créditos! Há duas cenas depois que as letrinhas acabam, além da música de fundo ser Heal The World ao vivo.
- Ainda não viu? Vá ver o filme. Vale cada centavo.
- Já viu? Veja de novo. É o que farei ;)

7 comentários:

Anônimo disse...

perfeito!!!!! o filme é lindo, michael jackson não podia ter ido embora

Paulinha disse...

mais um texto perfeito, como sempre!! olha, eu confesso q chorei bastante viu! pq dá um aperto no peito pensar q o show nunca vai acontecer, q eu ñ consegui me conter mtas vezes! seu post tá sensacional, e ver de novo é o q todo mundo deve fazer! Só 1 coisa, aquele primeiro texto q vc escreveu, depois q ele se foi, foi o texto + perfeito q uma pessoa já escreveu sobre o MJ, acho q mesmo q não era fã consegue entender um pouco do q era, de quem era o verdadeiro MJ lendo aquele seu texto! Parabéns mais uma vez Aninha, arrasou!!!! E só pra finalizar, é dificl demais acreditar q ele se foi e realmente, outro MJ, nunca teremos!

Anônimo disse...

Maravilhoso texto, realmente MJ era uma estrela em toda extenção da palavra... pena que por muitas vezes as pessoas deixaram de reconhecer isso, mas cá estamos nós seus fãs para divulgar seu legado... e para ele nunca ser esquecido!!!

Alcindo Jardim disse...

Eu simplesmente odeio o MJ, mas tive que ver o tal filme. Também não gostei. Mas também o que queria que tivesse Led? Deep Purple? Bobinho eu né? Mas para quem gosta o filme é muito bem feito e o show seria uma explendorosa produção.....

maria teresa disse...

Oi Aninha, vc falando dele me deixou arrepiada, eu vou sim correndo, obrigada por falar nele desa maneira tão carinhosa, bjos querida

Renata D´Elia disse...

Metendo o bedelho aqui, passo apenas para dizer que concordo contigo, girl. Escrevi minhas impressões sobre o filme no meu blog,que é esse aqui da minha ID. Não tô com cabeça pra grandes arroubos de pseudo-resenha musical ou cinematográfica, I just wanna watch my great MJ playing and smile. Smile a lot.

beijos

Sidnea disse...

Assisti o filme 3 vezes. Pretendo assistir mais vezes e comprar o DVD assim que for lançado.
Fiquei muito emocionada em vários momentos, e como você, Aninha, chorei no inicio ao ver a emoção dos bailarinos-fãs.
Como seria bom se ele tivesse conseguido fazer esse show. Seria a grande volta por cima, calaria a boca de muita gente.
O consolo é imaginar que ele tenha partido fazendo o que gostava, sabendo que ainda era muito amado pelos fãs e pelos filhos.
O que também me impressionou no filme é que o Michael, apesar de todo o sofrimento pelo qual passou, apesar de ter sido humilhado e ridicularizado mundialmente por uma boa parte da mídia nos ultimos anos, conseguia ainda falar sobre amor, se preocupar com o ser humano e com o planeta.
Ele, realmente, estava num estágio absurdamente mais elevado do que todos que o julgaram sem piedade.
Um abraço,
Sidnea