Em destaque

É proibido fumarÉ proibido fumar Imaginem o cenário: sábado a noite. Vila Madalena, o bairro dos bares de São Paulo. Pub, lugar direcionado para consumo de bebidas. Imaginaram? Pois bem, agora acrescentem o seguinte detalhe à cena: ninguém está fumando!

Leia mais...

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

2
Muito além do estupro do BBB




E então que aparentemente houve um caso de estupro no BBB 12. Digo aparentemente porque nada foi provado, a vítima não tem memória e o caso está sendo julgado e analisado pela Justiça. Ou seja, estupro é um crime, é grave, e não se pode sair acusando as pessoas assim. A gente pode decifrar coisa das imagens, pelos depoimentos da Monique, mas não somos a Justiça.

Nesses casos podemos analisar o modo como a história repercute. Uma das piores coisas que pode acontecer com uma mulher é ser estuprada. É degradante, é humilhante, é tirar um direito de escolha. Sexo, principalmente para a mulher, é muito importante. Tão importante que a primeira vez é super valorizada e a maior parte das mulheres - vamos ignorar aqui o liberalismo atual ou a tentativa de igualar os sexos - selecionam muito bem com que que fazem sexo ou não. Alguém te forçar a uma situação, a algo tão íntimo, tão pessoal, é um crime.


Mas estupro é um crime que acontece primordialmente contra as mulheres - sim, homens podem ser estuprados. Vivemos em uma sociedade machista e patriarcal, na qual se ensina como uma mulher deve se comportar para não ser estuprada, mas não ensinam os homens que eles devem respeitar as mulheres e não estuprá-las. Simples assim! Se a mulher sorriu, se a mulher mostrou a perna, o ombro, rebolou: deu chance para que acontecesse! Quantos casos não ouvimos de mulheres que foram fazer denúncias após soferem estupro e tiveram que ouvir "mas você deu mole!".


O suposto caso acontecceu com a MOnique, uma jovem bonita, loira, com corpão, que foi taxada pela edição do BBB como "maria chuteira". É simples falar que, caso algo tenha acontecido, a culpa foi dela. "Ela bebeu demais, ela não soube o limite, ela deu mole, ela já deu para vários, qual o problema de dar para esse?". A partir do momento em que ela não estava em condições de fazer nada, estava desacordada, parte-se do princípio que a outra pessoa não tentará fazer nada. O acusado, nesse caso, é um modelo negro de 30 anos. Que já viajou o mundo, trabalhou muito, é bem vivido. Mas pelo fato de ser negro, acusam aqueles que consideram o caso um crime como "racistas". "Se fosse um loiro de olho verde, ninguém falaria que é crime". Negro, loiro, vermelho, amarelo, com três pernas, cheio de bolinhas azul, tanto faz. Violou o direito de uma pessoa? É crime. Confesso que eu mesma disse que se Daniel não fosse negro, o caso não teria tanta repercussão. Mas não teria é os comentários rídiculos de "tinha que ser negro!". "isso que dá colocar um negro na casa". Caráter não vem com cor de pele. Ele ter feito ou não algo indefere da cor da pele dele.



Dona Plim Plim tentou passar por cima, ignorar o fato, editar como uma novela, tratar como um "caso de amor", até perceber que o programa agora vai além daquilo que passa na TV. As pessoas conversam, acessam internet, veem vídeos. Não dá para esconder algo tão grandioso. Acredito que a emissora nunca irá se pronunciar sobre o caso, até por já ter polícia envolvida, mas fica aqui uma pequena reflexão: se a outra pessoa não tem condições nem de falar com você, você não tem o direito de passar a mão no cabelo dela. Não mexa com o outro sem que esse autorize. Ninguém é um cachorro no cio. Se for esse o caso, aprenda com o melhor amigo do homem e encoxe uma almofada. Pois uma mulher não é um objeto inanimado.

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

1
E o cinema nacional ainda vale a pena....

Você já parou para pensar por que os filmes brasileiros são quase monotemáticos? Em uma época na qual o cinema brasileiro vem com tudo, falta gêneros e títulos que agradem os jovens. Afinal, se besterol americano faz tanto sucesso aqui, por que não apostar no modelo brasuca?

Nesta sexta-feira estreia nos cinemas "Muita Calma Nessa Hora", filme com temática jovem, linguagem jovem, feito para jovens. Com um elenco que conta com humoristas de MTV à Zorra Total, o filme narra a trajetória de três amigas em "mini férias" na praia, e momentos diferentes na vida. Uma busca se livrar de vícios - homens e cigarros. Outra, se livrar da indecisão. A terceira - a que ocasiona a viagem - se livrar do karma de ter sido traída pelo noivo próximo ao casamento. No caminho cruzam com uma quarta, que busca (re)conhecer o pai. No fim, todas buscam se encontrar. Diferentes perfis que qualquer jovem se identificaria. O próprio filme define as personagens em seus "20 e poucos anos" - a tal extensão da adolescência.

Quase nos moldes de um especial de fim de ano da Globo, daqueles que faz você pensar "por que isso não vira um programa fixo?", "Muita Calma Nessa Hora" é um filme perfeito se você quer ir no cinema relaxar. Com ótima fotografia e um elenco equilibrado entre piadas sarcásticas e comédia pastelão - afinal, o filme tem a participação dos antigos Hermes e Renato -, "Muita Calma Nessa Hora" mostra que o cinema brasileiro sabe contar histórias além de miséria e violência. Para aqueles que sentem falta de uma produção nacional leve, está aí a dica. Vale lembrar que o filme literalmente agrada todos os públicos: não, você não vai precisar brigar com seu namorado quando Giane Albertoni aparecer desfilando de biquini. O filme conta com uma - ótima - gama de surfistas prestes a desfilar seus corpinhos....

Estaria o cinema nacional lembrando que os jovens também vão ao cinema?

terça-feira, 21 de setembro de 2010

1
Parabéns coronéis, vocês venceram outra vez

Faz um tempo que estou pensando em postar algo sobre política, mas não sei por onde começar. Pensei em fazer um post sobre a importância do voto consciente ou sobre o que significa cada cargo que devemos decidir os ocupantes em 3 de outubro. Talvez faça sobre esse último ainda essa semana. Mas sobre voto consciente, cada um com sua consciência.

É difícil acreditar que alguém ache que votar em candidatos "palhaços" seja uma forma de "protesto". Que tipo de protesto? Você vai colocar lá um idiota que não sabe nem o motivo que está se candidatando, que não fará nada por você e terá salário por 4 anos? Enquanto você batalha para ter um trabalho e pagamentos decentes? Está protestando contra quem exatamente, contra você mesmo? Não é mais simples pesquisar, votar em um candidato que você acredite que fará algo por você e cobrar dele? Enfim.

Decidi que vou resumir esse post em uma música do Paralamas do Sucesso, que gosto muito. "Luis Inácio". O nome está escrito de forma errada, mas é uma menção ao nosso atual presidente. A música foi lançada em 1995 e inspirada em uma frase de Lula, em 93, quando ainda era oposição. Lula disse que no Congresso poucos trabalhavam de verdade, enquanto 300 picaretas não faziam nada.

Já se passaram 15 anos desde que a música foi lançada. O que mudou? Lula não é mais oposição. É presidente há quase oito anos e está prestes a eleger sua candidata. E no Congresso, algo mudou? E a situação política do Brasil, está muito diferente?

Tinha pensado em linkar em trechos da música notícias que mostram o que está acontecendo atualmente no Brasil. Mas não. Cada um com sua consciência. Leia a letra, ouça a música e reflita. A letra traz alguns casos da época, como a menção no "papai quando crescer eu quero ser anão" - era um escandalo da época. Traz alguns nomes também. Mas é incrivel como mudando apenas algumas palavras, ela fica atemporal. Incrivelmente triste.

Luís Inácio falou, Luís Inácio avisou
São trezentos picaretas com anel de doutor
Luís Inácio falou, Luís Inácio avisou
Luís Inácio falou, Luís Inácio avisou
São trezentos picaretas com anel de doutor
Luís Inácio falou, Luís Inácio avisou


Eles ficaram ofendidos com a afirmação
Que reflete na verdade o sentimento da nação
É lobby, é conchavo, é propina e jeton
Variações do mesmo tema sem sair do tom
Brasília é uma ilha, eu falo porque eu sei
Uma cidade que fabrica sua própria lei
Aonde se vive mais ou menos como na Disneylândia
Se essa palhaçada fosse na Cinelândia
Ia juntar muita gente pra pegar na saída

Pra fazer justiça uma vez na vida
Eu me vali deste discurso panfletário
Mas a minha burrice faz aniversário
Ao permitir que num país como o Brasil
Ainda se obrigue a votar por qualquer trocado
Por um par se sapatos, um saco de farinha
A nossa imensa massa de iletrados
Parabéns, coronéis, vocês venceram outra vez
O congresso continua a serviço de vocês
Papai, quando eu crescer, eu quero ser anão
Pra roubar, renunciar, voltar na próxima eleição
Se eu fosse dizer nomes, a canção era pequena
João Alves, Genebaldo, Humberto Lucena
De exemplo em exemplo aprendemos a lição
Ladrão que ajuda ladrão ainda recebe concessão
De rádio FM e de televisão
Rádio FM e televisão





segunda-feira, 5 de julho de 2010

23
Questões existenciais da saga Crepúsculo. Ou simplesmente uma opinião.

NOTA - LEIA: A crítica é sobre O FILME. ok? FIIILME! Pessoal do twitter, NÃO ME ENCHAM O SACO PORQUE O TEXTO ESTÁ FALANDO DO FILME. Deu para entender? FILME! Por isso a tag é "cinema". Entederam? Obrigadinha.

Faz um tempo que tenho algumas questões sobre Crespúsculo na minha mente que nunca dividi com ninguém, exceto com o namorado. Mas depois de assistir ao vídeo do Felipe Neto, me empolguei. Vou dividir com vocês também! Eba, se sintam super especiais com isso!

Ah sim, o vídeo em questão é esse.




A primeira vez que assisti Crepúsculo não fazia a menor ideia do que estava vendo. Vou todo final de semana no cinema, acabou que eu já tinha assistido todos os filmes em cartaz e tinha sobrado Crepúsculo. Então, esse foi o filme escolhido. Sem saber, eu e namorado fomos parar na ESTREIA de Crepúsculo, com o cinema lotado de menininhas gritantes de 15 anos. Tenho que confessar que não tem nada que eu detesto mais no cinema do que menininhas gritantes de 15 anos. Tá, tem. Casal se pegando nas cadeiras da frente. Hello, vai pro Motel!


Enfim. Fiquei sabendo por cima sobre o que era Crepúsculo pela minha irmã de 26 anos com alma de 15. Ela já tinha lido o livro e dito que a história de amor era a mais linda de todos os tempos. Nunca confio nisso, sou um pouco pé no chão com relação a "história de amor". Talvez por isso eu namore a quase 6 anos e muita gente sonhadora não passa do primeiro mês. Enfim de novo.


O que eu achei do primeiro Crepúsculo? Muita gente pálida e sem expressão. Meu Deus. Eu sou branca, mas Edward consegue ser mais. E isso me assusta um pouco, porque para mim pessoas muito brancas passam a impressão de geladas. (o blush é meu melhor amigo! \o/). Mas para qualquer pessoa que já teve qualquer tipo de relacionamento e já saiu da fase imaginária de colégio, Crespúsculo é irreal demais, até para um filme. Vamos ignorar o fato que é um pouco dificil você estudar com um vampiro. Mas você se apaixonar e confiar em um cara que te diz que é um assassino e arranca uma árvore na sua cara não é amor, é burrice.


De qualquer modo, assisti o Crepúsculo 2 e 3 também, pois como já disse, vejo todos os filmes. (inclusive aquele no qual Jim Carrey é um gay. Aposto que você nem viu esse filme em cartaz). Nesse fim de semana, fui com o namorado (companheiro de cinema) ver Eclipse. Sim, na estreia, mas ou você via Eclipse, ou Eclipse, já que já tinhamos visto todos os outros, inclusive Toy Story. Pegamos a sessão da meia noite, o que foi muito bom, pois tinha um público mais adulto e juro que não localizei nenhuma menininha gritante de 15 anos. O melhor disso? Ao invés de gritinhos e suspiros, muita risada. Sim, porque não tem como não rir de uma história onde um vampiro de 300 anos virgem pede a mão de uma estudante de 18 anos em casamento, leva trinta "nãos" na cara, insiste e ainda vê um muleque de 16 anos levar sua mina no papo. Porque, de boa, qual ser na face da Terra (ou de qualquer universo imaginário do qual os vampiros possam ter vindo) vai achar SUPER normal sua noiva ser encoxada por um cara seminu, que deixa claro que é mais "quente" que você, e ainda vai achar supimpa ele dar uns pegas na sua noiva na sua frente? Sendo que, além de tudo, você OUVE os pensamentos dele? E foi ELA que pediu. Meu Deus Edward, de que século MESMO você veio?


Eu não sei vocês, mas acho que mesmo que eu tivesse 15 anos não ia achar o Edward um principe, ia achar um corno manso.


Eu acho que o que me irrita em Crepúsculo é que venderam o filme da forma errada. O primeiro trailler que passou nos cinemas de Crepúsculo foi quase um teaser. Era Edward tentando matar o loiro do The OC que acabou com a vida da Marissa. Tipo, 30 segundos. Mostrava eles se pegando no chão e vinha o letreiro "Twilight". Lembro do comentário do namorado "Esse livro tá fazendo sucesso". Única informação que tive a respeito. Para chegar no dia e a tal cena da luta durar os exatos 30 segundos. Mostrasse Edward olhando para Bella sem falar nada num campo florido por 30 segundos que o teaser seria mais real e atingiria o público certo.


Os filmes da saga tem basicamente a mesma formatação: Edward e Bella com olhar de peixe morto no meio de um campo florido - algum vampiro mau quer matar Bella - Jacob quer pegar a Bella - Bella quer o Jacob e quer o Edward - Edward convoca a familia toda para acabar com o vampiro mau - Bella esquece Jacob - Edward pede Bella em casamento.


Esse filme eu xinguei muita gente. O Edward porque não sabe articular. Me dá aflição ele falar tudo com a boca fechada e beijar a Bella com uma cara de que tem alguém do outro lado enforcando ele. A Bella porque é muito chata, meu Deus, se você confiava no cara quando ele te disse que era um assassino, porque raios você não aceita logo a droga do pedido de casamento dele? E o Jacob porque parece aqueles muleques chatos e pegajosos de balada, que você diz que não quer, mas ele insiste. Comentei com o namorado que o último filme deve terminar com Jacob atacando a Bella sexualmente soltando um "eu sei que você quer, eu sei que você quer", não é possível. O menino é um retardado. Tenho medo de meninas que falam que são #TeamJacob. Vocês curtem pitboy de balada também? Sério. Eu teria muito medo se um cara falasse que iria lutar por mim até meu coração parar de bater. MEU PAI, ELE QUER ME MATAR!


Aliás, uma questão, hm, fisiológica. Um vampiro está morto, certo? É tipo um zumbi, sei lá, não tem sangue correndo pelas veias, tem? E não tem alma, certo? Como uma pessoa sem alma, em um romance, vai se apaixonar por alguém?! E toda aquela história de "almas gêmeas"?! E como uma pessoa sem sangue... errr... hmm... vai conseguir fazer o que a Bella tanto queria nesse filme? Sério. Não é preciso de sangue pra.... hmm.. o menininho funcionar? Fiquei confusa.


Ah é. Alguém me explica PORQUE Bella e Edward cismam em sentarem em campos floridos? Onde eles acham esses campos floridos, já que todo o resto do filme é escuro? Não tem formigas, abelhas, nada? Só eu que encontro bichos em todos os lugares? Que mancada...


Respeito quem gosta. Cada um tem sua fase. Eu já quis casar com o Nick dos Backstreet Boys, por exemplo. Aliás, estava lembrando agora: eu já quis casar com o Edson Celulari! Meu Deus, por que eu já quis casar com o Edson Celulari? O que eu tinha na cabeça?!


Mas para mim, Crepúsculo é simplesmente um ótimo filme para dar risadas. Porque tem umas tiradinhas irônicas que ganham de qualquer outro filme adolescente. Porque, apesar das intermináveis cenas paradas de Edward e Bella sentados num campo florido, dá para rir daquele menino preso no corpo de um marombado tentando roubar a namorada de um vampiro. Aliás, estou esperando empolgadíssima a cena na qual Jacob vai deitar de barriga para cima e pedir para Bella coçar a barriguinha dele. E ele, todo contente, vai abanar o rabo e sair correndo em busca de um graveto.



Agora, uma última mensagem. Mas para Felipe Neto. POXA FELIPE. Não rasga o livro. Doa para caridade, alguma menininha de 15 anos vai curtir a história. Bem ou mal, com qualidade ou não para os olhos de alguns, Crepúsculo está fazendo algo muito bom: tem um monte de adolescente realmente lendo livros! É ou não é um milagre?

quinta-feira, 24 de junho de 2010

7
Um ano sem Michael Jackson - E o que o mundo perdeu?

Se passou um ano inteiro desde que o mundo perdeu Michael Jackson, e alguns ainda perguntam: quem ocupará o trono do Rei do Pop?

Sinceramente? Ninguém.


Não digo isso como fã de Michael Jackson, mas como fã de cultura pop. Michael Jackson foi simplesmente um fenômeno, desde o seu início. Você pode dar ouvido aos boatos, pode não gostar de sua vida pessoal, mas seu talento é inegável. Ele foi capaz de seduzir o mundo simplesmente andando para trás. Foi capaz de seduzir o mundo com uma jaqueta vermelha, sapatos pretos com as meias brancas aparecendo e uma luva prateada. Para ele, não era preciso fantasias, performances estranhas ou simulações de sexo. Bastava ele estar no palco.


Michael veio de uma época na qual talento era fundamental. Os artistas ainda não tinham toda a roupagem que acompanham os CDs hoje. Não é segredo para ninguém que, atualmente, você não precisa saber cantar. Seja simpático, faça algo que chame a atenção, que o resto a gente dá um jeito. Cria-se celebridades, mas artistas, poucos.


Já tentaram encontrar inúmeros substitutos para o cargo de Rei do Pop. A última matéria que ví citava Justin Timberlake, Britney Spears, Lady Gaga, Justin Bieber e Miley Cyrus. Não vou falar sobre os dois últimos, pois acho que o jornalista bebeu gasolina antes de escrever. Nada contra Justin Bieber, acredito que o menino tenha futuro. Apesar das meninas histéricas e da carinha de ídolo teen, creio que em alguns anos ele possa render algo. Miley Cyrus não sei se vai longe, não canta, não tem carisma e está seriamente seguindo os passos de Britney Spears para deixar sua vida pessoal ser mais importante que a profissional. Britney é uma vítima da mídia, temo que terá o mesmo fim trágico de MJ. Diria que os mais propícios a serem lembrados algum dia seriam Justin Timberlake e Gaga.


Justin tem talento. Canta, dança, compõe, produz, atua, se reinventa. Mas some muito para quem ainda não conseguiu cativar tanto público. Gaga tem apelo, mas nasceu agora, e como já disse, é muito circo para pouco palhaço. Sabe cantar? Sabe, sem dúvida. Já provou que sabe escrever. Mas ainda não conseguiu me provar que consegue manter o circo de pé depois que o público for embora. Muita cena, muita performance, pode simplesmente destruir o principal: a música. Mas como a própria já declarou, ainda é muito cedo para dar qualquer rótulo para Lady Gaga.


A grande vantagem de Michael Jackson é que ele cativou a todos, primeiramente, por sua música. Por sua dança. Não foi preciso um grande circo para provar que ele sempre teve talento. Aos poucos, Michael Jackson foi reescrevendo a história da música pop. Deu vida aos video clipes. Sabe esses vídeos que você assiste hoje em dia, com uma história, com um dançarino acompanhado por outros? Ele é o cara por trás disso. Michael deu uma nova dimensão para o que é um show, o que é uma turnê. Os shows de Michael Jackson sempre tiveram cenários. Sempre tiveram luzes. Fogos. Dançarinos. Mas sempre contaram com a banda, ali do lado dele. Pois mais do que saber entreter, é preciso saber cantar. Afinal, você é um cantor ou um miquinho de circo?


Uma coisa que sobra em Michael Jackson falta em muitos artistas da atualidade: carisma. Você pode não gostar da pessoa, mas conseguirá achar pelo menos uma performance que te deixará de boca aberta. Ele sempre teve o incrível dom de hipnotizar as pessoas ao pisar no palco. Seja com a voz. Seja com a dança.


O que perdemos com a passagem de MJ? Assista This is It, domingo da Rede Globo e quarta-feira na Warner para ver. Perdemos o show do século. Perdemos um artista que ainda tinha muito a oferecer. Imagine como estaria a história do pop hoje, depois da estreia de This is It? O show contaria com a participação de Madonna, negociavam a aparição de Britney Spears e Lady Gaga abriria as apresentações. Quer mais?


Infelizmente perdemos o cara. Perdemos a criatividade. Perdemos o que poderia ser um novo capítulo para a indústria pop. E não adianta. Podem surgir Ladys, Justins. Não haverá um novo Elvis. Não haverá um novo Beatles. Não haverá um novo Nirvana. E nunca, jamais, existirá um novo Michael Jackson. Ninguém conseguirá vestir seus sapatos. Vida longa ao eterno Rei do Pop.






Leia também:




Michael Jackson - King of Pop, Rock and Soul - depoimento de um fanático recente (yes, myBoyfriend). Ou simplesmente o depoimento de um fanático por música.

Michael Jackson fazendo bem até para sua saúde - depoimento da irmã fisioterapeuta, fã há 17 anos e responsável pela overdose de Michael Jackson na minha vida.

quarta-feira, 16 de junho de 2010

9
Por que eu nunca doei sangue?

Por que eu nunca doei sangue?


Eu sou doadora universal. Para quem não sabe, isso significa que tenho sangue tipo O. Apesar de poder doar para todo mundo, só posso receber sangue de pessoas que também tenham tipo O. Por ser rh negativo, eu só posso receber de quem tenha rh negativo. Ou seja, apesar de poder doar para todo mundo, só quem tem sangue O- pode me doar. Mesmo lendo em alguns lugares que isso depende de X fatores, fico com a regra que aprendi no colégio. De qualquer forma, volto a pergunta: por que nunca doei sangue?


Meu pai também é O-. Eu brinco com ele que a gente já sabe onde achar sangue, quando precisar. Uma brincadeira besta, mas é bom saber o tipo sanguineo de quem te rodeia, você nunca sabe o que pode acontecer. Mais uma vez, por que nunca doei sangue?


Eu não tenho medo de agulhas. Faço exame de sangue de boa, nunca tive problemas com vacina e injeção. Por muito tempo não pude doar sangue por não ter peso suficiente para isso. Pois bem, passei a barreira dos 50kgs. Depois fiz um piercing, e teria que esperar um ano. Mas um ano depois, fiz outro piercing. Já se passou mais de um ano, e até agora, nada. Por que nunca doei sangue?


Acontece que a gente nunca faz ideia de como gestos simples podem ajudar. A gente não sabe o dia de amanhã. Não sabe se um conhecido um dia vai precisar desse tipo de ajuda. Não sabe se a gente vai precisar um dia desse tipo de ajuda. Então vivemos nossa vida. Continuamos a estudar, a trabalhar, temos a informação mas não fazemos nada. Eu sei que sou doadora universal. Eu sei que meu sangue faria bem para muita gente. Eu sei que com apenas uma unidade de sangue que eu doasse, três vidas já estariam salvas. Por que até agora não me mexi?


Uma mensagem que retuitaram hoje me chamou a atenção para esse assunto.

1 ano peço doação ou q me ajudem na campanha p/ doação de sangue p/ meu avô receptor universal,ninguém da RT

Na hora retuitei, mas me veio o pensamento: "e daí se todo mundo retuitar? no que isso muda? será que ninguém vai se mexer para ajudar?". E me lembrei "sou doadora universal". Lembro de falar isso com muito orgulho quando descobri, lá pelos meus 14 anos. "Uau, meu sangue pode salvar o mundo". Me senti quase a filha do superman. Será que não está na hora de usar meus poderes?


Se você mora em São Paulo, já pode dar uma grande ajuda. A mensagem original, que coloquei aí em cima, veio do twitter do Fabiano e da Leticia. O avô precisa de doação de sangue. Por que não ajudar? O senhor Klinger Pavani precisa de doação. Se encaminhe para o Hospital do Câncer,na R. Prof. Antonio Prudente, Liberdade, São Paulo e ajude. A doação pode ser feita de 2ª a 6ª feira das 8h as 18h e nos sábados até as 17h. Quem precisar de mais informações, pode ligar no (11)21892233.


E você pode ajudar sempre. Pode ir no hemocentro da sua cidade, pode se tornar um doador ativo, é simples! Basta respeitar as restrições, você ganha dispensa do trabalho e ainda embolsa um lanchinho. O que é melhor? Você será o responsável por salvar muitas vidas. Quando, em toda sua existência, você pensou que poderia fazer isso? Como diria Michael Jackson, vamos parar de existir e começar a viver.


Aqui, aqui e aqui você encontra mais informações sobre doação de sangue. Não custa nada, e a satisfação de saber que você pode ser útil para a humanidade é maior do que qualquer dor com a agulha.


Se você tem a capacidade de retuitar um "Cala a Boca Galvão", se você consegue ficar horas na fila do cinema para assistir a saga Crepúsculo na estreia, você consegue parar um minuto para passar essa mensagem adiante e fazer o seu papel de super herói.


Por que você ainda não doou sangue?
Eu estou pronta para tirar meu atraso. Vamos?


terça-feira, 11 de maio de 2010

18
Drogado ou Gay? Como você prefere o seu filho?


Já ouvi algumas vezes senhoras dizerem que "preferem ter um filho drogado e viciado a um filho homossexual". A explicação para tal preferência? "Pois o drogado pode ser curado". Vamos pensar.


Um filho drogado é dependente químico. A distância entre o inicio da dependência e a chegada ao fundo do poço pode ou não ser longa, pode ou não existir. O caminho percorrido encontra violência, agressão, roubos, qualquer coisa para se conseguir suprir o vicio. Já acompanhei casos de perto. Caso de filhos de classe média, que apesar de inúmeras internações, continuaram com o seu vício, agredindo família, namoradas, amigos. Filhos de classe média que perto dos 30 anos não conseguiram se formar em uma faculdade e nem se estabilizar em um emprego.


Vamos para o filho gay. Vou citar um exemplo próximo, um amigo meu. Formado em jornalismo também, antes dos 25 anos conseguiu se estabilizar em uma das maiores emissoras do mundo. Respeitadíssimo no trabalho, assume diversas funções, faz tudo na mais perfeita perfeição. É um filho amoroso. Gosta de ter a companhia dos pais no tempo livre. Agrada a mãe sempre que pode, dá satisfações dos lugares que vai e nunca a deixa preocupada. Tem amigos, mantém relacionamentos sérios, estáveis. A diferença? É gay. Gosta de homens.


Tire o "drogado" da primeira descrição. Tire o "gay" da última descrição. Que filho você preferia ter? Quem precisa ser curado?



O interessante de se comentar programas populares como o Big Brother é a gama de assuntos aleatórios que ele incita. Peca aquele que acredita que com esse tipo de programa não se pode tentar discussões mais sérias na sociedade. Nesse ano, por exemplo, tivemos o tal Big Brother colorido. Três homossexuais assumidos entraram no programa. Um gay, uma drag queen e uma lésbica. Em contrapartida, o programa apresentou uma figura completamente alheia àquele universo: um lutador conhecido por seu comportamento machista.


Essa diferença fez com que um termo um tanto quanto estranho fosse levantado: heterofobia. A torcida do lutador alegava que ele sofria preconceito por ser heterossexual. O lutador muitas vezes disse estar defendendo "a bandeira da heterossexualidade", e em entrevistas após o término do programa garantiu que "sofreu heterofobia". Fobia, segundo a definição do dicionário, é a aversão a alguma coisa ou um medo mórbido. Procure homofobia no dicionário.

homofobia

ho.mo.fo.bi.a

(homo(ssexual)+fobo+ia1) sf 1 Preconceito contra os homossexuais. 2 Ódio aos homossexuais, muitas vezes levando à violência física.

Agora, procure heterofobia.

Nenhuma palavra encontrada.

Estamos inseridos em uma sociedade de maioria heterossexual, ou seja, onde a maioria sente atração pelo sexo oposto. Em uma sociedade patriarcal, machista, onde o homem - heterossexual - tem a última palavra. Como então dizer que um heterossexual assumidamente ligado aos conceitos patriarcais sofreu preconceito por... fazer parte da maioria? Ou, traduzindo para o português mais simples possível: como um homem sofreu preconceito por gostar de mulher?



É dificil pensar que em pleno século XXI as pessoas podem ser julgadas pela forma de expressar o amor. No que te afeta alguém gostar do mesmo sexo? Isso tira suas posses? Mexe com a segurança da sua família? Qual o porquê de se sentir incomodado com uma manifestação de afeto?


Nota-se aqui que o exemplo do Big Brother é apenas um pano de fundo para uma questão maior. Um programa popular, que envolve milhares de opiniões do Brasil inteiro, bem ou mal, reflete a opinião de uma maioria. Uma torcida que se movimentou com afinco para fazer um campeão baseado em clichês machistas e humilhações àqueles que não se enquadram no quesito da heterossexualidade é algo para se assustar. Durante três meses, quem acompanha o programa pode ver manifestações e opiniões violentas, chulas, denegrindo a imagem de participantes homossexuais, julgando sua sexualidade como um tipo de defeito. Situações que chegaram ao ponto de participantes precisarem recorrer à seguranças profissionais para garantirem a sua integridade física.

Ainda há muito no que se avançar. Faço parte de uma geração que aceita melhor o diferente, que aprendeu que a convivência de brancos, negros, japoneses, indios, gays, heterossexuais, bissexuais, pansexuais ou seja lá o que você seja, é normal. É saudavel. Todos agem assim? Não. Mas jovens já encontram um ambiente mais seguro para assumirem suas preferências, se assumirem e poderem conviver em paz.


Apesar disso, o equilibrio ainda não está perfeito. Ainda vemos notícias de jovens que são maltratados, espancados, humilhados ou até mesmo - pasmem - mortos por sua orientação sexual. Ainda existem grupos que se acham no direito de agredirem o outro por não fazer parte de uma "maioria". Esse mesmo grupo que espanca gays é o que acredita que mulher é inferior, que negro não presta. Que conceitos são esses? O que nos faz tão diferentes?


Piadas e insinuações a respeito de orientações sexuais são imensas. Graças à nossa sociedade machista. Afinal, homem homossexual é boiola, é viado, é anormal. Mulher homossexual é objeto de desejo de filmes pornôs. Afinal, ela vai querer se relacionar com a outra mulher e com o cara, não é mesmo? E o cara vai poder se relacionar com as duas, não é?


Como quebrar esse estigma machista? Como educar uma sociedade para aceitar o diferente, que nem tão diferente é? Todos namoram. Todos se relacionam. Qual a diferença se isso é feito com o mesmo sexo ou o sexo oposto? No que isso te fere?


Há um tempo atrás, os Estúdios Mauricio de Sousa publicou uma história que rendeu polêmica. Dentro da linha jovem da Turma da Mônica, temos a Revista da Tina - jovem estudante de jornalismo que vive os conflitos das pessoas de sua idade. Tina apareceu, certa vez, com um amigo gay.


A história não deixou claro que o menino é gay. Insinuou, discutiu levemente o preconceito, mas parou por aí. Mesmo assim, gerou protestos de pais que acreditaram que uma simples historinha poderia influenciar na educação sexual de seus filhos de forma que julgassem negativa. Mas por que não mostrar para as crianças, desde cedo, que existem pessoas que gostam do mesmo sexo?


O egoísmo destrói relações. O egoísmo de se achar que, só porque alguém não tem as mesmas ideias que você, os mesmos conceitos, ele está errado. A sociedade avançou, mas ainda falta muito para que todos alcancem o fim do arco-íris e descubram que, lá no final, não tem um pote de ouro. Mas tem pessoas convivendo alegre e harmoniosamente, independente de sua cor, etnia, classe social ou orientação sexual.


E no fim, que filho você prefere ter?
Eu prefiro um filho gay*.






*gay, em inglês, é um termo que se refere a "feliz".